Libertar-se é Estar Conectado à Vida com Prazer!

Na cama, o beijo – Toulouse Lautrec, 1892

Por Magali Marino

Vamos pensar junto comigo: uma pessoa quando está doente, com um problema de estômago, com uma hipertensão, com problemas cardíacos, entre outros, procura um médico para se tratar e curar o mal que a aflige. Quando não está bem com o seu corpo, a pessoa vai a uma academia para ganhar massa, perder gordura. Por que quando se está com dificuldades na área da sexualidade, existe tanta vergonha e resistência em procurar um tratamento? Por que não cuidar da sexualidade como saúde e qualidade de vida?

Hoje, está comprovado cientificamente, que a grande maioria das doenças são psicossomáticas, ou seja, desencadeadas por problemas psíquicos que atingem o corpo. Sabe-se, também, que um dos grandes males que leva às doenças é a repressão dos prazeres sexuais. Isso foi descoberto, desde o começo do  século XX, quando a psicanálise identificou que os sintomas da histeria estavam relacionados à repressão da energia sexual feminina.

Nossa vida está ligada à libido, energia que trazemos conosco desde o nascimento, Pulsão condutora da sexualidade,  nossa maior fonte de saúde e juventude.

Porém, repressões e/ou traumas vão evnfraquecendo a força dessa energia levando a pessoa a diminuir ou até adormecer o Prazer Sexual, deslocando-o, muitas vezes, para outras atividades.

image

Percebi, com o trabalho que realizo, a importância da sexualidade para a saúde feminina, o quanto o sexo quando praticado sem repressões e preconceitos leva a mulher a se expandir em várias outras áreas da sua vida.

Na experiência de consultório pude ter a resposta de como a liberdade de viver de forma plena os prazeres nos relacionamentos entre os casais, leva a uma melhor convivência e harmonia no seu dia a dia. Essas percepções foram motivadoras para eu me tornar especialista na área da Sexualidade Humana direcionando o meu foco ao atendimento de casais e às mulheres que buscam o autoconhecimento, que desejam e querem descobrir os prazeres orgásticos.

Como sexóloga, iniciei atendendo pessoas com disfunções sexuais, casos como vaginismo, anorgasmia, disfunção erétil, entre outras.  Atualmente chegam ao consultório, pessoas que me procuram porque querem melhorar o seu desempenho sexual, querem descobrir as várias possibilidades e potencialidade para se viver o prazer. Casais, mulheres e homens que sentem que precisam conhecer as possibilidades e descobertas dos seus corpos, que desejam se soltar das amarras para experimentar viver com liberdade as suas fantasias da forma que desejam.

image
Espejos y Huellas – Liliana Esperanza, 2010

Se não fossem construídos, durante milênios tantos tabus, em torno dos prazeres que a vida promove, entre eles o sexual, teríamos um mundo mais livre para se viver os momentos de alegria e prazer de forma mais intensa.

Infelizmente os preconceitos são muito fortes e repressores. Repressão é aquilo que foi retirado da espontaneidade do sujeito, é o medo dos seus próprios desejos.

No processo psicoterápico, quando uma pessoa se solta das amarras introjetadas pela criação rígida e pelos tabus impostos, a vida ganha um novo olhar.

image

Libertar-se é estar conectado à vida com prazer!

 

Se quiser comentar, tirar dúvidas, mandar sugestões, escreva nos comentários abaixo ou no blogasmo@gmail.com

________________

Magali Marino – Psicóloga, Psicoterapeuta Corporal em Análise Bioenergética, Sexóloga e Mestra em Design Estratégico.

8 thoughts on “Libertar-se é Estar Conectado à Vida com Prazer!

  1. Cuidar da sexualidade e cuidar do viver. Há momentos na vida que está a pulsão sexual é canalizada para outras áreas da vida, porém isto terá que ser do pleno conhecimento da pessoa, e buscar a real satisfação é fundamental. O estado de busca é uma forma de manter a pulsão sexual portanto manter a vida saudável. Magali, que belo trabalho você está disponibilizando para as pessoas passarem a ter vida e não sobrevivência. Parabéns!

    1. Obrigada Kátia pela tua contribuição para a nossa reflexão sobre a saúde sexual. É fundamental que tenhamos essa consciência que Pulsão Sexual é tudo que transformamos em Prazer na nossa Vida. Fundamental!

  2. Muito importante a duscussāo deste assunto pra todas nøs, mulheres. Quantas amarras por libertar… Magalī conheço vc por intermędio de Lucia Baracho, uma grande amiga. Interessei em refletir este assunto, pois estou hå anos sem um companheiro. Vivo minha sexualidade da maneira possīvel… um grande abraço, Marua.

    1. Marua, também te conheço, através dessa amiga guerreira que temos o privilégio de tê-la por perto. Estou abrindo um canal para falar sobre o tema da sexualidade, quando estiver no ar te aviso.
      Acho que, enquanto criarmos possibilidades para viver nossa sexualidade e os prazeres promovidos pela vida, nunca perderemos o nosso Viço e o brilho dos nossos olhos. Beijo

  3. Muito gostosa a leitura destes textos Magali! Gratidão!!!. Sua escrita traz reflexões importantes, atuais e que remontam a épocas mais difíceis da mulher enquanto ser social, com uma sexualidade para se vivida de forma plena e cuidadosa. Avançamos sim, fruto de lutas, debates e conquistas… Mas as gerações precisam ter essa temática presente, nas famílias, nas escolas, entre os pares. Os Homens são fundamentais neste diálogo, reflexão e descoberta, pois viver a sexualidade com inteireza e alegria promove saúde física, mental e espiritual! Parabéns por compartilhar e se dispor a estar junto com os seres nesta caminhada… Beijos e abraço fraterno!

    1. É muito gratificante ter o reconhecimento dessa escrita por uma mulher que conheço bem e sei da luta para o crescimento e expansão das mulheres. Obrigada por essas palavras e saber que estamos juntas nesse movimento para o Prazer Orgástico da Sexualidade e da Vida.

  4. Podem inventar novos nomes para a tendência humana em pecar, de se distanciar das práticas sexuais verdadeiramente praseirosa
    e sem culpa. Podem culpar a palavra santa nas suas recomendações de uma vida santa e agradável ao nosso criador, podemos e se
    quisermos fazer tudo que nos é oferecido, mas nem tudo nos convém. No fim e na nossa velhice pra quem tem o prazer e a benção
    de chegar a essa fase das vida o que vale mesmo e ter certeza que lutou com todas as nossas forças para vencer o tentador e suas
    tentações.

    1. O sofrimento é um sentimento que geralmente está associado a perdas objetivas ou a questões subjetivas. Na subjetividade um dos maiores sofrimentos do ser humano: é saber-se finito.
      Entre outros, o sentimento de viver a finitude também se dá quando na separação de corpos,entre casais, quer seja por morte ou término do afeto, muitas vezes esse distanciamento gera grande sofrimento.
      Por outro lado, a união de corpos de pessoas que estão vinculadas por sentimentos afetivos e se desejam, provoca uma sensação de alegria e prazer.
      Como possibilidade de viver o Prazer, a natureza promoveu ao homem e à mulher corpos com terminações nervosas e irrigação que quando estimulados sexualmente deveriam acionar o gatilho do Prazer. A natureza também nos concedeu hormônio, como a Ocitocina, que tem como função: promover as contrações musculares uterinas; reduzir o sangramento durante o parto; estimular a libertação do leite materno; desenvolver apego e empatia entre pessoas; produzir o prazer do orgasmo; e modular a sensibilidade ao medo (do desconhecido) – https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ocitocina
      Em vez de proibir o prazer sexual, a Bíblia mostra que ele é um presente de Deus para as pessoas casadas. Ao criar os humanos, Deus os fez “macho e fêmea” e viu que sua criação era algo “muito bom”. (Gênesis 1:27, 31) Quando instituiu o casamento entre o primeiro homem e a primeira mulher, Deus disse: “Eles têm de tornar-se uma só carne.” (Gênesis 2:24) Esse vínculo incluía o prazer da intimidade sexual, bem como um profundo apego emocional.
      Por isso a natureza, sabiamente, nos concedeu viver o Orgasmo nas relações sexuais, o Prazer de gozar, que infelizmente é vivido por poucas pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *